quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Já a ala mais extrema do governo israelense comemorou. “Uma nova era. Novas ideias (…) Grande dia para os israelenses e os árabes razoáveis. Felicitações”, tuitou o líder do partido nacionalista e religioso Lar Judaico, Naftali Bennet. - Netanyahu, Lieberman, Bennett, Shaked e Outros: Muito Obrigado!


menu
Assinesearch

Mundo
Trump: Paz no Oriente Médio não requer solução de dois Estados
Presidente americano também disse que continua considerando a possibilidade de transferir a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém
Por Da redação
access_time15 fev 2017, 22h51 - Atualizado em 16 fev 2017, 00h00chat_bubble_outlinemore_horiz


Trump recebe Netanyahu: "Poderia viver com qualquer uma das soluções" (Kevin Lamarque/Reuters)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abandonou nesta quarta-feira o compromisso tradicional dos Estados Unidos com uma solução de dois Estados para resolver o conflito no Oriente Médio entre israelenses e palestinos.


Na coletiva de imprensa conjunta na Casa Branca com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, Trump disse que seu governo poderá aceitar a criação de dois Estados, mas também a de um único, se as duas partes estiverem de acordo.
PUBLICIDADE

inRead invented by Teads

Em um afastamento da posição americana sobre o tema desde o governo de Bill Clinton, na década de 90, Trump reiterou que “poderia viver com qualquer uma das soluções”. “Por muito tempo, pensei que a solução de dois Estados era a mais fácil. Mas, honestamente, se Israel e os palestinos estão felizes, eu estou feliz com o que eles preferirem”, declarou o presidente republicano.

Em mensagem direta a seu interlocutor, Trump afirmou que gostaria que Israel contivesse o avanço dos assentamentos em territórios palestinos. O presidente americano afirmou que “os israelenses vão ter que mostrar que realmente querem um acordo de paz”, mas destacou também que “os palestinos têm que se despir um pouco do ódio que ensinam desde a tenra idade”. “Eles ensinam muito ódio. É algo que eu tenho visto”, disse.

Veja também

MundoTrump pede a premiê de Israel que contenha assentamentosquery_builder15 fev 2017 - 18h02

MundoNYT: equipe de Trump fez contato com inteligência russaquery_builder15 fev 2017 - 07h02

MundoIndicado de Trump para secretário do Trabalho desiste de nomeaçãoquery_builder15 fev 2017 - 21h02

Trump também criticou a Organização das Nações Unidas (ONU) por considerar que tratou de “forma muito, muito injusta” quando o Conselho de Segurança aprovou no fim de dezembro uma resolução que condenou os assentamentos israelenses.

O presidente revelou que continua considerando a possibilidade de transferir a embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém. A ideia é fortemente criticada pelos palestinos.
Reações

Na noite de terça, dia 14, uma fonte do alto escalão do governo americano afirmou que Washington não iria mais insistir na solução de dois Estados. “Isso é algo que eles deverão resolver. Nós não vamos ditar quais serão os termos da paz”, disse a fonte.

A explosiva declaração significou um giro na política externa americana e provocou uma onda de reações em todo o mundo. O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, disse categoricamente que “se deve fazer todo o possível para preservar” a possibilidade de uma saída de dois Estados.

Instantes mais tarde, a França – membro permanente do Conselho de Segurança da ONU – disse, por intermédio de seu embaixador François Delattre, que o compromisso de seu país com a solução de dois Estados “é mais forte do que nunca”.

Em Ramallah, nos Territórios Palestinos, Hanan Ashraui, um dirigente da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), comentou que a nova posição americana “carece de sentido”. Washington “está tentando satisfazer a coalizão extremista de Netanyahu”, afirmou.

Outro alto funcionário palestino, Saeb Erekat, denunciou que a declaração se propõe a “eliminar o Estado da Palestina”, antecipando que um eventual Estado único não será necessariamente um Estado judaico.

A única alternativa a uma solução de dois Estados, disse Erekat, é “um simples Estado democrático que garanta os direitos de todos: judeus, muçulmanos e cristãos”.

Já a ala mais extrema do governo israelense comemorou. “Uma nova era. Novas ideias (…) Grande dia para os israelenses e os árabes razoáveis. Felicitações”, tuitou o líder do partido nacionalista e religioso Lar Judaico, Naftali Bennet.

(Com AFP)chat_bubble_outlinemore_horiz

Pela Web

PATROCINADOOs Novos Trens Avançados Azuma do Reino Unido Aceleram Mais Rápido e Chegam Mais CedoHitachi


PATROCINADOTroque a Poupança pelo Tesouro DiretoEmpiricus Research


PATROCINADOConheça os restaurantes em São Paulo dos chefs mais famosos da TVIbis Hotel


PATROCINADOPor que não há mais trens no Brasil?Vice

Para Você

França: vídeo de esposa abala ainda mais candidatura de Fillon


Mordomias de Delcídio do Amaral irritam juiz

Recomendado por
Comentários
Deixe uma resposta


Para comentar você precisará entrar com seu usuário e senha do Abril Accounts ou fazer login através do Facebook ou do Google+

Entre

Oswald de Andrade 16 fev 2017 - 00h49


ate porque nao existe povo palestino, na regiao o que existe e apenas povo sirio e egipcio.. filistia e o nome dado por adriano aquele territorio, para ir contra os judeus.. dai inventar que os que nasceram na regiao sao filistinos, ou palestinos, e uma invencao moderna


João Pedro 16 fev 2017 - 07h25


Olá revista Veja, apóser sobre sua matéria, penso que o presidente republicano quis dizer que está satisfeito com o acordo de Israel e Palestinas, mas também disse que os palestinos são má influência


jaconé 16 fev 2017 - 07h32


Oswald de Andrade 16 fev 2017 – 00h49
Adriano imperador romano de 117 a 138 d.C. – “Invenção moderna”? O Brasil foi “inventado” em 1500 d.C. nos que aqui nascemos somos índios?


joão botelho 16 fev 2017 - 07h56


Estado democrático onde convivam religiões e povos diferentes. Uma idéia possível! De um jeito ou de outro sempre haverá reações radicais por lá. Mas um bom trabalho envolvendo lideres políticos e religiosos e alguma dose de coragem tornará mioto possível essa solução. E não será por falta de modelos.


jorji akagi 16 fev 2017 - 08h09


Isso é óbvio, a razoável estabilidade mundial hoje se deve muito ao medo das armas nucleares, no caso específico do Oriente Médio passa por reforma da religião islâmica, a espécie humana é violentíssima!




Últimas

MundoSegunda suspeita de matar irmão de Kim Jong-un é presaquery_builder16 fev 2017, 07h51

MundoEUA voltam a permitir que doentes mentais comprem armasquery_builder16 fev 2017, 07h28

MundoTrump: Paz no Oriente Médio não requer solução de dois Estadosquery_builder15 fev 2017, 22h51


Nas bancasEdição 2517 15 de fevereiro de 2017
Acesse o índiceAssineLeia também no

NewsletterConteúdo exclusivo para você
person
mail
Quero Receber


AssineAbril.com

VEJA
+ Brinde Mochila Por Apenas: 8 x R$ 81,90Assine

EXAME
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 47,77Assine

SUPER
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 18,66Assine

CLAUDIA
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 16,00Assine

CASA CLAUDIA
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 17,00Assine

QUATRO RODAS
+ 6 Meses Grátis Por Apenas: 12 x R$ 17,50Assine
Abril.com
AbrilSAC
Clube do Assinante
Grupo Abril
GoBox
GoToShop
Leia também no GoRead Clube
Copyright © Abril Mídia S A. Todos os direitos reservados.
Política de Privacidade
Powered by WordPress.com VIP