sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Yehowah Tseva'ot; Iehouah Dos Exércitos x Donald Trump?! - Se e a Bíblia é seu livro preferido Trump, ainda não aprendeu com a leitura dela. Recorra ao nível da Torah na sua primazia hebraica e ancestral, conheça como é a Tanach e o que dela resulta. O sionismo é ação do Iehouah Elohim da Torah. Israel ontem e hoje é o mesmo segundo a determinação soberana de Iehouah. Ele é Absoluto e seus comandos são eternos.



ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA»PRESIDENTE TRUMP

PRESIDENTE TRUMP
Donald Trump volta atrás em Israel e põe um travão com a Rússia
3/2/2017, 8:51


No mesmo dia em que teve um telefonema desastroso com o primeiro-ministro australiano, Donald Trump recuou em relação a Israel e à Rússia. O The New York Times diz que Trump segue políticas de Obama.
Partilhe



Nas Nações Unidas, a nova embaixadora dos EUA criticou a "ocupação" russa da Ucrânia e falou da manutenção das sanções

Getty Images

Autor
João de Almeida Dias
joaoptadias
Email

Mais sobre
APPLE
INOVAÇÃO
PRESIDENTE TRUMP
SAMSUNG
TECNOLOGIA
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA
AMÉRICA
MUNDO


Quinta-feira foi um dia agitado, com avanços e recuos na política externa norte-americana. Depois de o dia de Donald Trump ter começado com um telefonema atribulado com o primeiro-ministro da Austrália, os EUA fecharam aquelas 24 horas com alguns recuos diplomáticos e políticos em relação a Israel, à Rússia e também ao Irão. Para o The New York Times, Donald Trump está agora a “abraçar” alguns dos “principais pilares” da política externa de Barack Obama.

Em relação a Israel, a Casa Branca emitiu um comunicado ao final da noite onde se opunha à construção de novos colonatos judaicos. Esta foi uma posição que levou Donald Trump a criticar abertamente a administração de Barack Obama, quando esta permitiu a aprovação de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU de repúdio à construção de colonatos judaicos. Segundo aquela resolução, o avanço dos colonatos defendidos pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, comprometiam a concretização dos esforços pela paz naquela região.


Explicador. Afinal, porque é que Israel se sente atacado?




Nessa ocasião, Donald Trump escreveu o seguinte no Twitter: “A grande perda para Israel nas Nações Unidas vai tornar muito mais difícil uma negociação por paz. É uma pena, mas nós vamos tratar do assunto na mesma!”.

Este tom — e também o conteúdo — contrasta com o do comunicado divulgado esta quinta-feira pela Casa Branca, onde a administração de Donald Trump acabou por defender a mesma ideia que Barack Obama defendeu. “Embora não acreditemos que a existência de colonatos seja um impedimento para a paz, a construção de novos colonatos ou a expansão dos colonatos existentes além das suas fronteiras atuais poderá não ser útil para esse objetivo ser cumprido”, lê-se no comunicado.

No mesmo texto, é dito que Donald Trump “espera conseguir a paz ao longo da região do Médio Oriente” e que esse será um tema a tratar com Benjamin Netanyahu, que estará de visita aos EUA a 15 de fevereiro. Pouco depois da tomada de posse de Donald Trump, Israel anunciou a construção de novos colonatos judaicos — um total de 5.500.
“As nossas sanções relacionadas com a Crimeia vão continuar”

Outro sinal de que, apesar de tudo, pelo menos parte do statu quo diplomático dos EUA será mantido sob Donald Trump partiu da delegação norte-americana na Organização das Nações Unidas (ONU). Naquela que foi a sua primeira intervenção como embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley falou de forma inequivocamente crítica contra a Rússia quando tratou de falar sobre a guerra no leste da Ucrânia e a ocupação da Crimeia, que aos olhos dos EUA e da União Europeia foi anexada pela Rússia em 2014. Desde então tanto Washington D.C. como o bloco de 28 países na Europa impõe sanções à Rússia.

“A Crimeia é parte da Ucrânia”, disse Nikki Haley. “As nossas sanções relacionadas com a Crimeia vão continuar em prática até a Rússia devolver o controlo da península à Ucrânia. O princípio básico destas Nações Unidas é que os estados devem viver lado a lado em paz.”

A atual embaixadora dos EUA na ONU manteve o léxico condenatório que já era conhecido a Samantha Powers, a sua antecessora escolhida por Barack Obama, no que à Crimeia diz respeito. Nikki Haley falou do “sofrimento de um país por causa das ações agressivas da Rússia”, referiu que estava em decurso uma “ocupação” e exigiu o cumprimento dos termos do Acordo de Minsk, firmado em 2015. E embora tenha dito que os EUA “querem melhorar as suas relações com a Rússia”, disse que a “situação crítica no leste da Ucrânia exige uma condenação clara e forte das ações” de Moscovo.



Em janeiro, ainda antes de tomar posse, Donald Trump falou sobre a possibilidade de suspender as sanções impostas à Rússia. “Se nos dermos bem e a Rússia nos ajudar, porque é que haveríamos de ter sanções contra alguém que está a fazer coisas muito boas?”, disse.



PARTILHE


COMENTE


SUGIRA
Proponha uma correção, sugira uma pista:jadias@observador.pt

RECOMENDAMOSPRESIDENTE TRUMP
Trump quer tirar "trancas à porta" pós-Lehman
3/2/2017, 10:32PRESIDENTE TRUMP
Parlamento debate condenação de política de Trump
3/2/2017, 8:09PRESIDENTE TRUMP
Repórteres sem Fronteiras e Reuters criticam Trump
3/2/2017, 7:57PRESIDENTE TRUMP
Ataque de Pyongyang teria resposta "esmagadora"
3/2/2017, 7:32REINO UNIDO
Theresa May: Trump apoia a NATO "a 100%"
2/2/2017, 22:44WALL STREET
Wall Street fecha em equilíbrio apesar de Trump
2/2/2017, 22:39

POPULARESESPANHA
Prevista chuva forte na Galiza e Estremadura
3/2/2017, 9:18PORTUGAL 2020
A auto-estrada da mediocridade
Pedro Batista e Silva
3/2/2017, 8:01


Realmente é triste observar esta realidade. Portugal, um país em que a sua gente demonstra ter tanto talento e qualidade, segue em velocidade cruzeiro na auto-estrada da mediocridade.CASA BRANCA
Casa Branca avalia impacto de novos colonatos
3/2/2017, 8:01TIMOR-LESTE
Timor-Leste lidera Índice da Democracia
3/2/2017, 7:24LULA DA SILVA
Temer presta condolências a Lula da Silva
3/2/2017, 7:17PRESIDENTE TRUMP
Presidente da Uber abandona Donald Trump
2/2/2017, 22:30

ÚLTIMASJOSÉ EDUARDO DOS SANTOS
José Eduardo dos Santos não se recandidata
3/2/2017, 10:41FRANÇA
Louvre: grita "Alá é grande" e esfaqueia militar
EM ATUALIZAÇÃOESCOLAS
Greve dos funcionários fecha dezenas de escolas
EM ATUALIZAÇÃOVIOLÊNCIA DOMÉSTICA
Jogador espanhol detido por violência doméstica
3/2/2017, 9:13ESPANHA
Prevista chuva forte na Galiza e Estremadura
3/2/2017, 9:18METEOROLOGIA
Mau tempo. Mais de 500 ocorrências até às 7 horas
3/2/2017, 9:09

ÚLTIMAS / MUNDO

Trump quer tirar "trancas à porta" pós-Lehman10:32


Sondagem dá partido de Schulz mais perto de Merkel09:48


Louvre: grita "Alá é grande" e esfaqueia militar09:41


Prevista chuva forte na Galiza e Estremadura09:18


Donald Trump recua sobre Israel e Rússia08:51


Parlamento debate condenação de política de Trump08:09


A auto-estrada da mediocridade08:01

CONVERSAS À QUINTA


Hungria, da revolução de 1956 a Viktor Orbán
GUARDE E LEIA MAIS TARDE


Adicione artigos à sua lista de artigos guardados, clicando no ícone por baixo do título. Para aceder à lista, clique em “Artigos guardados”, a partir da sua foto de utilizador colocada no canto superior direito do ecrã.

Trazido por

O Santander Totta valoriza o seu tempo.
OPINIÃO

Os inimigos dos nossos inimigosRui RamosHoje

A revolta dos deserdados da globalizaçãoHelena GarridoOntem

Espanto e choque. O que fazer face a TrumpJosé Manuel Fernandes31 Janeiro

A ideologia alemãMiguel TamenHoje

Volkswagen e Samsung, líderes depois da crise: José Crespo de Carvalho - ConvidadoHoje

A auto-estrada da mediocridadePedro Batista e Silva - ConvidadoHoje

Por mares já outrora navegadosRicardo Ferreira ReisOntem

De Trump a CostaPaulo TunhasOntem

Resposta a Luís Aguiar-ConrariaAlexandre Homem CristoOntem

Um ‘Silêncio’ ensurdecedorP. Gonçalo Portocarrero de Almada - ConvidadoOntem

Bem-vindo à realidadeFernando Leal da Costa - ConvidadoOntem

Tolerância e inclusão no país das oportunidades?Nuno Sebastião - ConvidadoOntem






MAIS POPULARES

17 refugiados que fizeram a América "great"01 de Fevereiro

PS, PSD e Bloco querem condenar políticas de Trump01 de Fevereiro

EUA vão entrar em guerra com a China. "Sem dúvida"02 de Fevereiro

Acordo com Austrália. De idiota a morto em horas02 de Fevereiro

Deputados britânicos aprovam Brexit - como aconteceu01 de Fevereiro

Guterres: medidas de Trump "devem ser removidas"01 de Fevereiro

De Trump a Costa02 de Fevereiro

Cabo Verde implanta pacemaker com ajuda de Coimbra01 de Fevereiro
FOTOGALERIA EM DESTAQUE





Os Jogos Olímpicos do Rio foram no verão. Mas o estádio Maracanã já está ao abandono





VIDEOS MAIS VISTOS
TECNO
Colunas YOYO, estilo e som controlado por gestos
AO VIVO
A doce melancolia de Luísa Sobral
UMA CAUSA UM MINUTO
Uma causa, um minuto: Casa de Acolhimento para Crianças Refugiadas
OBS LAB
Seguro de vida? O que é?
OS NÚMEROS DO TOVAR
O primeiro zero do Benfica na época 2016-17

Saiba o que é o “testamento vital”

EXPLICADOR
PSOE sem líder. PP cauteloso. É agora, Espanha?

A crise no PSOE significa que haverá novo governo em Espanha?
E o que dizem os outros partidos da crise no PSOE?
A demissão de Sanchez representa o seu fim político?
E o que se segue no PSOE? Quando há eleições primárias?
Pedro Sánchez pode recandidatar-se à liderança do PSOE?
E quais são os possíveis candidatos à liderança do PSOE?
No PP, Rajoy fica ou abre espaço para Feijóo?
Já começam as pressões para um novo referendo na Catalunha. A tensão vai voltar a subir?
Como Bruxelas vê a crise política em Espanha?
E como anda a saúde da economia espanhola sem governo?


PODCASTS


Conversas à quinta

Programa de conversa semanal moderado por José Manuel Fernandes, com Jaime Nogueira Pinto e Jaime Gama.
Subscrever

Ao Vivo
Subscrever

Entrevista
Subscrever

Eventos
Subscrever