quinta-feira, 30 de março de 2017

PARABÉNS SIONISTA ESTADO JUDEU DE ISRAEL. MAIS DEVE SER FEITO. REPRESENTE NAÇÕES E POVOS DA TERRA VÍTIMAS DOS JOGOS MORTAIS DA ONU, UNIÃO EUROPÉIA ANTISSEMITA E XENÓFOBA E O ISLÃ. ABENÇOADO SEJA IEHUDAH E TODO ISRAEL.


Israel corta pagamentos à ONU após moção contra colônias
Segundo porta-voz, dinheiro suspenso será destinado a projetos que apoiam o país

POR O GLOBO / AGÊNCIAS INTERNACIONAIS
29/03/2017 17:26 / atualizado 29/03/2017 18:01
Assentamentos israelenses no Sul de Yatta, na Palestina - HAZEM BADER / AFP

PUBLICIDADE

ÚLTIMAS DE MUNDO
Pivô de escândalo com a Rússia, ex-conselheiro de Trump quer imunidade para testemunhar 30/03/2017 21:10
Deputados e militares entram em choque na Venezuela30/03/2017 20:56
Malásia entrega corpo do meio-irmão de Kim após tensão diplomática30/03/2017 20:34
Condições de El Chapo na prisão beiram o desumano, afirma Anistia 30/03/2017 20:00

JERUSALÉM — O porta-voz do Ministério do Exterior de Israel, Emmanuel Nahshon, informou nesta quarta-feira que o país tomou a decisão de cortar US$ 2 milhões em repasses à ONU em retaliação à aprovação da resolução contra os assentamentos nos territórios palestinos. Segundo o governo de Benjamin Netanyahu, esse dinheiro será destinado a projetos em países que apoiam Israel em organizações internacionais.

Veja também
Israel intercepta míssil disparado pela Síria contra sua força aérea
Israel barra entrada de quem apoiar boicotes ao país

Nahshon disse que a medida foi tomada por Israel, com apoio de aliados como o governo americano, pelo que consideram uma decisão preconceituosa da ONU contra o país e uma obsessão com a questão palestina, em comparação com outras crises humanitárias ao redor do mundo.

Em dezembro, o Conselho de Segurança da ONU aprovou a resolução que exige que Israel cesse imediatamente e completamente os assentamentos nos territórios palestinos, incluindo Jerusalém Oriental. O então governo de Barack Obama se absteve da votação, não usando seu direito a veto em apoio ao seu aliado mais próximo no Oriente Médio, abrindo caminho para a decisão histórica. Após a votação da medida, Israel retirou seus embaixadores e cancelou programas de ajuda em 12 países que votaram a favor.

A abstenção americana foi vista como uma medida marcante de fim de mandato de Obama, que teve uma relação difícil com Netanyahu. Na época, ministros israelenses disseram que a resolução era uma traição dos EUA e, antes da votação, Donald Trump, então candidato eleito, veio a público pressionar Barack Obama a vetá-la.
PUBLICIDADE

inRead invented by Teads



Após a votação na ONU, não demorou muito para que Trump se pronunciasse contra a postura adotada pelos EUA, prometendo mudanças durante o seu governo:


PUBLICIDADE


"Sobre a ONU, as coisas serão diferentes depois de 20 de janeiro", escreveu o republicano, em seu Twitter, em referência à data em que iria tomar posse.

Na segunda-feira, a atual embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, afirmou que o governo americano não iria permitir que algo semelhante à decisão no Conselho de Segurança se repetisse.

Cinco controvérsias provocadas por Netanyahu desde a chegada de Trump
1 de 5




Vista aérea do assentamento israelense de Revava, perto da cidade de Nablus, na Cisjordânia Foto: Majdi Mohammed / AP

Retomada de assentamentosA chegada de Donald Trump à Casa Branca motivou o premier israelense, Benjamin Netanyahu, a impulsionar ações criticadas no cenário internacional. Ele anunciou em janeiro a construção de milhares de residências em assentamentos na Cisjordânia, violando uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, e propõe agora novas colônias.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/israel-corta-pagamentos-onu-apos-mocao-contra-colonias-21131773#ixzz4crPhKN00
© 1996 - 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.