segunda-feira, 29 de maio de 2017

"Convoquei hoje uma reunião especial do gabinete nos túneis do Muro", o local mais sagrado do judaísmo, " e aprovámos uma série de decisões para fortalecer a nossa capital, Jerusalém", declarou Netanyahu numa referência ao local do encontro, no subsolo da Cidade Velha, na parte leste da cidade, ocupada em 1967 durante a Guerra dos Seis Dias.





Governo israelita reuniu hoje nos túneis do Muro das Lamentações

PUB




O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, convocou hoje a reunião semanal do seu executivo para os túneis do Muro das Lamentações, um local no centro do conflito e que suscitou uma forte condenação dos palestinianos.

"Convoquei hoje uma reunião especial do gabinete nos túneis do Muro", o local mais sagrado do judaísmo, " e aprovámos uma série de decisões para fortalecer a nossa capital, Jerusalém", declarou Netanyahu numa referência ao local do encontro, no subsolo da Cidade Velha, na parte leste da cidade, ocupada em 1967 durante a Guerra dos Seis Dias.

O dirigente palestiniano Saeb Erekat definiu esta reunião como "uma provocação" e disse que envia "uma clara mensagem ao povo palestiniano que as violações sistemáticas dos seus direitos inalienáveis vão prosseguir".

O parlamento de Israel aprovou em 1980 uma resolução onde estabelece que Jerusalém unificada é "a capital eterna e indivisível do Estado de Israel", uma decisão que não foi legitimada pelas principais instâncias internacionais.

Em paralelo, o Governo israelita aprovou um projeto para a construção de um teleférico que vai percorrer a zona leste de Jerusalém e estabelecer a ligação entre o Muro das Lamentações e o Monte das Oliveiras, e que estará em funcionamento em 2021.