sexta-feira, 26 de maio de 2017

JUDEUS NORTE-AMERICANOS...! ESCOLHAM ISRAEL COMO DESTINO. PODEM REALMENTE ESTAR SEGUROS EM UMA ALEMANHA QUE SE AJOELHE SOBRE DITADURA ISLÂMICA? SE NÃO LUTAREM PELA LIDERANÇA SIONISTA NA AMÉRICA OU EM ISRAEL O QUE PODE-SE ESPERAR DE FATO?

Deutsche Welle

NOTÍCIAS

Mundo
Alemanha
Brasil
Economia
Cultura
Ciência e Saúde
Turismo
Esporte

DESTAQUES
Eleição na Alemanha
ESPECIAIS
9 de novembro de 1989
Ao longo do Reno
Eleições europeias 2017
Entenda a Alemanha
Martinho Lutero
Migração
Minha avó e a ditadura
Reunificação alemã
Rio 2016
Segunda Guerra Mundial

MEDIATECA

Ao vivo
Todo o conteúdo
APRENDER ALEMÃO

CURSOS DE ALEMÃO
Cursos de alemão
Comece já
Deutsch Interaktiv
Mission Europe
Radio D
Deutsch - warum nicht?
Audiotrainer

DEUTSCH XXL
Deutsch XXL
Deutsch Aktuell
Deutsch im Fokus
Telenovela
Bandtagebuch
Landeskunde

COMMUNITY D
Community D
Das Porträt
Facebook & Co.
Podcasts & Newsletter
Service

DEUTSCH UNTERRICHTEN
Deutsch unterrichten
DW im Unterricht
Unterrichtsreihen
Deutschlehrer-Info
MUNDO
ALEMANHA
BRASIL
ECONOMIA
CULTURA
CIÊNCIA E SAÚDE
TURISMO
ESPORTE
NOTÍCIAS / MUNDO

MUNDO
Crescem pedidos de judeus nos EUA por cidadania alemã

Desde que Trump foi eleito presidente, consulado de Nova York vem recebendo mais solicitações. Constituição alemã dá direito de naturalização a antigos cidadãos que tiveram passaportes revogados por nazistas.


Passaporte alemão: documento é visto como opção de saída dos EUA


Judeus americanos querem, ao que parece, sair dos EUA, ou pelo menos, ter a opção de ir embora. Dos integrantes da comunidade judaica do país, 75% votaram em Hillary Clinton nas eleições de novembro de 2016, muitos deles, assustados com a retórica de Donald Trump.

"Podemos confirmar que houve um aumento sensível no número de pessoas que reivindicam a cidadania alemã sob o Artigo 116, parágrafo 2 da Lei Fundamental alemã [Constituição]", afirma Bradford Elder, porta-voz do consulado alemão em Nova York. A cidade tem a maior população de judeus nos Estados Unidos e só perde para Israel em nível mundial.

O Artigo 116, parágrafo 2, da Lei Fundamental alemã permite que pessoas que foram despojadas de sua cidadania alemã entre 1933 e 1945 reivindiquem os passaportes revogados pelos nazistas. Esse direito também se aplica a seus descendentes.

Entre 50 e 70 pessoas em Nova York solicitaram a cidadania alemã nos anos 2014 e 2015, de acordo com o consulado. Esse número saltou para 124 somente em novembro de 2016, mês da eleição presidencial dos EUA, e tem subido a cada mês desde então, de acordo com os dados fornecidos à DW pelo consulado alemão. Em março de 2017, 235 pessoas requisitaram a cidadania alemã.

Plano B

Essa parece ser uma tendência para os judeus em outros lugares nos EUA também. Para Terry Mandel, de 63 anos, de Berkeley, na Califórnia, a razão para pedir a cidadania alemã é clara e simples. "Ela foi motivada 99% pela vontade de ter uma saída", diz Mandel à DW. "Trata-se de ter um plano B."

Mandel deu entrada em um passaporte alemão pela primeira vez em 2000, quando o conservador republicano George W. Bush se tornou presidente após uma controversa e contestada vitória eleitoral, apesar de ele, como Trump, ter tido menos votos populares. Então, em setembro de 2016, enquanto trabalhava em um livro sobre judeus que estavam reivindicando a cidadania alemã, Mandel percebeu que seu passaporte alemão tinha expirado.

"Como muitos americanos progressistas, eu não achava que havia uma chance de que Trump pudesse ganhar", afirma. "Mas eu ainda pensava: 'por que correr o risco?'" Ela iniciou o processo para renovar seu passaporte logo antes do dia da eleição de 2016. A vitória de Trump fez com que a renovação do passaporte pudesse ser sentida como algo "muito mais urgente e importante" para ela.


Sinagoga em Nova York: cidade abriga a segunda maior comunidade judaica do mundo

Para Ilana e Rena Sufrin, gêmeas de 26 anos, moradoras de Pittsburgh, a importância de um passaporte alemão representa um caminho fácil para a União Europeia e também uma espécie de apólice de seguro. Rena se sente ligada à sua herança alemã, por parte de sua avó – mais do que Ilana, que se sente mais judia. Rena aprendeu alemão no colégio e estudou em Colônia, na Alemanha, durante a faculdade.

As irmãs deram entrada no processo pelo passaporte em 2015, muito antes de Trump anunciar sua candidatura para presidente. "Na época, Obama era o presidente", ressalta Ilana. "Eu sou uma pessoa bastante liberal, tinha muita esperança e não achava que poderia haver qualquer problema. Mas eu diria que agora é definitivamente uma coisa boa ter o passaporte", conclui Rena.

Opção de luxo

Adam Bencan, de 26 anos, natural da Filadélfia, apresentou sua documentação ao consulado de Nova York em janeiro. Sua motivação tinha menos a ver com a situação política e mais com uma conexão pessoal com a herança alemã, por parte do avô.

"Eu só queria ter cidadania alemã e completar o ciclo interrompido pelo meu avô", diz ele, que planeja algum dia passar um ano na Alemanha. "A mudança no clima político pode apressar a minha ida", reconhece Bencan, acrescentando que a vitória de Trump intensificou seu desejo de sair do país.

Para as irmãs Ilana e Rena, a ideia de se mudar permanentemente para a Europa é pouco atraente. Ilana diz que planeja passar um ano entre as principais cidades europeias e trabalhando remotamente, mas não pretende ficar.

"Eu não acho que vá viver lá permanentemente", sublinh aIlana. "Não acho que queira criar meus filhos na Alemanha. Os EUA ainda oferecem mais oportunidades, a menos que isso mude e eu mande tudo para o inferno", acrescenta.

"Eu sinto que as pessoas realmente não acreditam que algo [horrível] possa acontecer", afirma Rena, "Mas sinto que isso preocupa a todos, especialmente quando você começa a ouvir as pessoas como Trump falarem. É um pouco preocupante."

Para Mandel, a ideia de se mudar para a Alemanha é cada vez mais atraente. "A coisa está realmente 50/50", diz. "Tenho a opção de sair e a curiosidade da mudança. No clima político atual, globalmente, a Alemanha parece mais segura e acolhedora do que muitos, muitos outros lugares", ressalta.



NOVE LIVROS PARA A ERA TRUMP
"1984"

Em "1984", George Orwell mostra ao leitor o que é viver num Estado totalitário, onde a vigilância é onipresente, e a opinião pública é manipulada pela propaganda. Desde a eleição de Donald Trump, o romance distópico voltou à lista dos mais vendidos. Mas outros clássicos, que descrevem cenários semelhantes, também se encontram cada vez mais sobre as mesas de cabeceira.

123456789

LEIA MAIS


Visita a antigas residências judaicas em Berlim

Projeto reúne atuais moradores e sobreviventes do Holocausto para contar histórias de famílias judaicas que viviam na cidade antes da perseguição e deportação pelos nazistas. (08.05.2017)


Antissemitismo persiste na sociedade alemã, afirma relatório

Novas formas de antissemitismo são disseminadas no país, e especialistas alertam que é necessário fazer mais para combatê-las. Comunidade judaica manifesta preocupação com o preconceito vindo de muçulmanos. (25.04.2017)


Opinião: É preciso levar a sério o antissemitismo na Alemanha

País pode se orgulhar de sua florescente vida judaica, mas a percepção de uma crescente hostilidade social, relatada por muitos judeus, deve preocupar políticos e sociedade, afirma o jornalista Christoph Strack. (25.04.2017)


Hitler foi acusado de crimes de guerra antes de morrer, revela livro

Publicação mostra que comissão das Nações Unidas determinou responsabilização do ex-ditador nazista por extermínio de judeus ainda antes do fim da Segunda Guerra. EUA e Reino Unido sabiam do Holocausto, mas não agiram. (19.04.2017)


Como os israelenses veem a vitória de Trump

Direita de Israel vê um parceiro ideológico no futuro presidente americano e prefere fazer vista grossa para os recentes incidentes antissemitas registrados entre os seus apoiadores. (24.11.2016)


Nove livros para a era Trump

O novo presidente americano não lê muito. Mas, desde que ele chegou ao poder, livros sobre regimes totalitários voltam à lista de best-sellers. Conheça algumas obras que podem ajudar a entender seu estilo de governar. (06.03.2017)


Data 11.05.2017
Autoria Maya Shwayder (md)
Assuntos relacionados Eleições Primárias nos EUA, Trump, John Kerry, Furacão Matthew, Halloween, Auschwitz, Henry Kissinger, Michael Phelps, Hildebrand Gurlitt , Melania Trump
Palavras-chave Trump, judeus, EUA, judeus nos EUA, cidadania alemã
Compartilhar Enviar Facebook Twitter google+ Mais
Feedback : Envie seu comentário!
Imprimir Imprimir a página
Link permanente http://p.dw.com/p/2ckjP

CONTEÚDO RELACIONADO

Dois homens, dois mundos: Trump e o papa23.05.2017

Quando o presidente americano visita o pontífice, duas visões de mundo se chocam. Do improvável diálogo entre o poder do capital e a crença na misericórdia, talvez só reste uma foto de Trump com Francisco.


Trump reforça imagem de Irã como inimigo, e Rohani reage 22.05.2017

Em Israel, líder americano reitera acusações de que Teerã financia terrorismo e promove violência na região. Presidente iraniano rebate críticas e afirma que não vai esperar autorização para testar mísseis.


Trump amplia direitos políticos de igrejas 05.05.2017

Ordem executiva permite a organizações isentas de impostos, como grupos religiosos, ter maior influência na política americana ao se envolverem em campanhas e apoiar candidatos abertament