sexta-feira, 26 de maio de 2017

''O que aproxima, neste momento, Israel, Arábia Saudita e Trump é a oposição ao Irã. Dentro do Oriente Médio, israelenses, sauditas, bairenitas e outros consideram o regime de Teerã uma ameaça maior neste momento do que o ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh. Não que eles simpatizem com o ISIS. Todos estes governos consideram o grupo um inimigo. Mas o ISIS não tem a menor capacidade de ameaçar Israel ou a Arábia Saudita e, mais importante, não para de apanhar no Iraque e na Síria. O problema é que os EUA, a Arábia Saudita e Israel temem que o Irã saia vitorioso justamente na Síria e no Iraque com o colapso do ISIS. Afinal, em Damasco e Bagdá, há governos aliados de Teerã – verdade que o iraquiano também é aliado de Washington. Israel se sente ameaçado porque o Irã apoia o Hezbollah no Líbano. E o grupo xiita libanês tem capacidade de provocar enormes estragos em Israel caso haja uma futura guerra – falo em milhares de mortos em Tel Aviv, Haifa e em todo o norte israelense. Já a Arábia Saudita disputa uma guerra geopolítica e ideológico com os iranianos no Oriente Médio.''

http://internacional.estadao.com.br/blogs/gustavo-chacra/por-que-israel-e-a-arabia-saudita-nao-gostam-do-ira/


BLOGS
Guga Chacra

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

323


Por que Israel e a Arábia Saudita não gostam do Irã?


gustavochacra

22 Maio 2017 | 18h22

Donald Trump investirá bastante na aproximação dos países árabes, capitaneados pela Arábia Saudita, e Israel. Não creio que isso resulte em um acordo de paz entre israelenses e palestinos, mas certamente pode melhorar bastante as relações de Israel com seus vizinhos. Não duvido de que, em breve, a Arábia Saudita adote uma postura similar à do Egito e da Jordânia em relação a Israel.

O que aproxima, neste momento, Israel, Arábia Saudita e Trump é a oposição ao Irã. Dentro do Oriente Médio, israelenses, sauditas, bairenitas e outros consideram o regime de Teerã uma ameaça maior neste momento do que o ISIS, também conhecido como Grupo Estado Islâmico ou Daesh. Não que eles simpatizem com o ISIS. Todos estes governos consideram o grupo um inimigo. Mas o ISIS não tem a menor capacidade de ameaçar Israel ou a Arábia Saudita e, mais importante, não para de apanhar no Iraque e na Síria.

O problema é que os EUA, a Arábia Saudita e Israel temem que o Irã saia vitorioso justamente na Síria e no Iraque com o colapso do ISIS. Afinal, em Damasco e Bagdá, há governos aliados de Teerã – verdade que o iraquiano também é aliado de Washington.


Israel se sente ameaçado porque o Irã apoia o Hezbollah no Líbano. E o grupo xiita libanês tem capacidade de provocar enormes estragos em Israel caso haja uma futura guerra – falo em milhares de mortos em Tel Aviv, Haifa e em todo o norte israelense. Já a Arábia Saudita disputa uma guerra geopolítica e ideológico com os iranianos no Oriente Médio.



NEWSLETTER Manchetes

Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

ASSINAR

Para os EUA, no entanto, talvez este fosse um momento de tentar buscar uma maior aproximação com o Irã, aproveitando que dezenas de milhões de iranianos foram às urnas para reeleger um presidente moderado e reformista. Foi, de uma certa forma, o que Obama fez e obteve sucesso com o acordo nuclear. O problema é que, ao agir assim, há risco de os EUA deixarem Israel ainda mais vulnerável. No caso saudita, não sei muito bem o que os EUA ganham, a não ser bilhões de dólares com a venda de armas. Afinal, quem difunde a ideologia wahabbita do islamismo sunita, utilizada pelo ISIS, Al Qaeda, Boko Haram, Al Shebab e Taleban, é o regime absolutista da Arábia Saudita, uma nação que restringe os direitos de gays, mulheres e minorias religiosas.

Guga Chacra, blogueiro de política internacional do Estadão e comentarista do programa Globo News Em Pauta em Nova York, é mestre em Relações Internacionais pela Universidade Columbia. Já foi correspondente do jornal O Estado de S. Paulo no Oriente Médio e em NY. No passado, trabalhou como correspondente da Folha em Buenos Aires
Comentários na minha página no Facebook. Peço que evitem comentários islamofóbicos, antissemitas, anticristãos e antiárabes ou que coloquem um povo ou uma religião como superiores. Também evitem ataques entre leitores ou contra o blogueiro. Não postem vídeos ou textos de terceiros. Todos os posts devem ter relação com algum dos temas acima. O blog está aberto a discussões educadas e com pontos de vista diferentes. Os comentários dos leitores não refletem a minha opinião e não tenho condições de monitorar todos os comentários

Acompanhe também meus comentários no Globo News Em Pauta, no Twitter @gugachacra , no Facebook Guga Chacra (me adicionem como seguidor) e no Instagram