quinta-feira, 18 de maio de 2017

Trump fez "dois erros muito sérios", disse o antigo diretor da Agência Central de Informações (CIA, na sigla em Inglês) John Brennan, na quinta-feira, durante um encontro de dirigentes financeiros, em Las Vegas. "Partilhamos muita informação sensível sobre as operações de terrorismo planeadas contra os russos", disse. "Mas partilhamo-la através dos canais das informações e certificamo-nos de que a linguagem do que se partilha não compromete, seja como for, os nossos sistemas de obtenção das informações. Trump não fez isto", considerou. Um antigo diretor da agência de espionagem israelita Mossad, Shabtai Shavit, disse à agência AP que o seu "sentimento é que quem quer que pertença a este clube profissional (círculos de espionagem) está muito irritado". Outro antigo diretor da Mossad, Danny Yatom, disse a uma estação radiofónica israelita que se as notícias são certas, Trump causou provavelmente "grandes estragos" à segurança dos EUA e de Israel.


Polémica


Espiões dos EUA e Israel frustrados e irritados com Trump

Donald Trump

Foto: MICHAEL REYNOLDS/EPA

Ontem às 22:57


COMENTAR
TÓPICOS
Rússia
EUA
Israel
Espionagem

Espiões dos EUA e Israel frustrados e irritados com Trump
COMENTAR

RELACIONADAS
Ministro russo goza com imprensa norte-americana
Trump queixa-se de ser vítima da "maior caça às bruxas" nos EUA
"Penso que Putin paga a Trump", disse líder republicano em 2016
Mais de um milhão já pediu destituição de Trump
MAIS VISTAS EM MUNDO
18/05As imagens do caos após carro atingir peões em Nova Iorque
18/05Um morto após carro abalroar multidão em Nova Iorque
18/05Homem mais obeso do mundo sai do hospital após cirurgia
18/05Michel Temer "apanhado" a autorizar suborno para calar Eduardo Cunha
18/05Rei holandês tem sido copiloto em segredo desde que foi coroado



Os EUA e Israel desvalorizam publicamente as alegações de que o presidente norte-americano partilhou com russos informação sensível, obtida pela espionagem israelita, mas os espiões daqueles países estão frustrados e receosos.

"Sei como as coisas funcionam nas informações israelitas", afirmou Uri Bar-Joseph, professor na Universidade de Haifa, em Israel, que tem estudado e escrito sobre as operações de espionagem do Estado de Israel.

"Tenho alguns amigos com quem falo. Eles estão perturbados. Estão sinceramente frustados e irritados", disse.


Durante uma reunião na Casa Branca com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo e o embaixador da Federação Russa nos EUA, na semana passada, Donald Trump partilhou informações sobre uma ameaça proveniente do grupo que se designa por Estado Islâmico, envolvendo computadores portáteis em aviões, segundo um dirigente sénior norte-americano, que falou sob anonimato, por não estar autorizado a falar sobre assuntos sensíveis.

Direntes dos EUA e de Israel procuraram acalmar a situação. O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, H. R. McMaster, disse à imprensa que as revelações de Trump foram "totalmente apropriadas".

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, divulgou uma mensagem na rede social Twitter, garantindo que estes dois aliados vão continuar a ter uma "profunda, significativa e inédita" relação de segurança.


Trump causou provavelmente "grandes estragos" à segurança dos EUA e de Israel

Mas algumas das pessoas que passaram anos a defender esta relação preveem consequências destas revelações de Trump.

Trump fez "dois erros muito sérios", disse o antigo diretor da Agência Central de Informações (CIA, na sigla em Inglês) John Brennan, na quinta-feira, durante um encontro de dirigentes financeiros, em Las Vegas.

"Partilhamos muita informação sensível sobre as operações de terrorismo planeadas contra os russos", disse. "Mas partilhamo-la através dos canais das informações e certificamo-nos de que a linguagem do que se partilha não compromete, seja como for, os nossos sistemas de obtenção das informações. Trump não fez isto", considerou.

Um antigo diretor da agência de espionagem israelita Mossad, Shabtai Shavit, disse à agência AP que o seu "sentimento é que quem quer que pertença a este clube profissional (círculos de espionagem) está muito irritado".

Outro antigo diretor da Mossad, Danny Yatom, disse a uma estação radiofónica israelita que se as notícias são certas, Trump causou provavelmente "grandes estragos" à segurança dos EUA e de Israel.