sexta-feira, 30 de junho de 2017

O POVO JUDEU É UM SÓ ASSIM COMO IEHOUAH SEU ELOHIM É UM. JUDAÍSMO REFORMISTA, LIBERAL, CONSERVADOR, ORTODOXO, ULTRA-ORTODOXO, CARAÍSMO E IDENTIFICAÇÃO PLENA COM A TORAH OU COM A HERANÇA DE ISRAEL TORNAM PESSOAS E NAÇÕES PARTE INTEGRANTE DO POVO JUDEU. NENHUM FANATISMO, LOUCURA OU ARBITRARIEDADE TEM COMO CONTESTAR ISSO, POIS NA HORA DO FOGO TODOS SOMOS DEPURADOS E CADA PRIVILÉGIO SOMENTE SE CONQUISTA COM ELEVADO E DIRECIONADO ESFORÇO. O GOVERNO DE NETANYAHU NÃO TEM PROMOVIDO NENHUMA DISCRIMINAÇÃO, PORÉM PRECISA SE ALERTAR PARA INÉRCIA DIANTE DE DESEQUILÍBRIOS SOCIAIS. CLARO, O MURO DO TEMPLO NÃO É PRIVILÉGIO INDIVIDUAL DE NINGUÉM E CHAMA MAIS POR AQUELES QUE MORRERAM E MORREM PELO DIREITO DELE SER UM LOCAL PARA TODO E QUALQUER JUDEU, PORTANTO CONFIAMOS QUE EM CARÁTER DEFINITIVO O GOVERNO ATUAL NÃO PERMITIRÁ NENHUMA INJUSTIÇA, CASO CONTRÁRIO SERÁ DERROTADO POR IEHOUAH TSEVA'OT ASSIM COMO TEM SIDO COM OUTROS GOVERNOS NÃO JUDEUS E JUDEUS.




Autoridades judaicas cancelam jantar com Netanyahu em protesto


EPA

PUB

Governo israelita decidiu anular a criação de uma área mista de oração no Muro das Lamentações em Jerusalém

Um grupo de individualidades judaicas cancelou hoje um evento com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em protesto contra a decisão do Governo israelita anular a criação de uma área mista de oração no Muro das Lamentações em Jerusalém.

A decisão reflete a clivagem crescente entre Israel e a diáspora judaica, sobretudo a norte-americana, sobre como o judaísmo deve ser praticado em Israel. A maior parte dos judeus norte-americanos faz parte da corrente mais liberal do judaísmo e sente-se alienada pelas autoridades israelitas ultra-ortodoxas, que questionam a sua fé e práticas.

O conselho de governadores da Agência Judaica para a Terra de Israel, uma poderosa instituição sem fins lucrativos que trabalha em conjunto com o Governo israelita para servir as comunidades judaicas em todo o mundo, anunciou que cancelou um jantar com o Netanyahu e alterou a agenda dos seus encontros anuais em resposta à crise.
O melhor do Diário de Notícias no seu email

Agora pode subscrever gratuitamente as nossas newsletters e receber o melhor da atualidade com a qualidade Diário de Notícias.SUBSCREVER

A decisão do Governo, tomada este domingo, motivou uma sucessão de críticas tanto em Israel como no estrangeiro, onde vários líderes judaicos, incluindo o presidente da Agência Judaica, Natan Sharansky, avisaram que poderá comprometer um muito antigo apoio político, financeiro e emocional de Israel.

Dennis Ross, antigo negociador diplomático norte-americano e atual presidente do Jewish People Policy Institute, manifestou o receio de que os judeus norte-americanos já não sintam Israel como a sua casa.

"Somos um povo pequeno. Em certo sentido, estamos todos na mesma casa, ninguém devia ser excluído e ninguém devia decidir se os outros são ou não judeus", afirmou, de acordo com a agência Associated Press, Dennis Ross em declarações à estação de rádio das forças armadas israelitas. "É perigoso que sejam dados aqui passos que possam alienar a vasta maioria dos judeus", acrescentou.

A decisão do executivo israelita de rasgar os planos de criação de uma área de oração mista para homens e mulheres junto ao Muro deita por terra três anos de negociações entre grupos judaicos liberais israelitas e norte-americanos, que resultaram num acordo assinado em janeiro de 2016 e foi visto na altura como um marco na promoção do pluralismo religioso em Israel.

A criação da área mista de oração junto ao local mais sagrado do judaísmo nunca foi implementada devido ao boicote dos poderosos membros ultraortodoxos da coligação governamental israelita, que tinham, eles próprios, apoiado a decisão.


31

0

0

2