terça-feira, 25 de julho de 2017

DEFENDA-SE ISRAEL - DEFENDA-SE POVO JUDEU - DEFENDAM-SE HEBREUS E ISRAELITAS - DEPOIS DE MAIS DE 2,500 ANOS A ÚNICA DEFESA É O ATAQUE PREVENTIVO E A DEFINITIVA POSIÇÃO É AÇÃO GLOBAL

http://expresso.sapo.pt/internacional/2017-07-24-Seguranca-da-embaixada-de-Israel-mata-atacante-na-Jordania

Segurança da embaixada de Israel mata atacante na Jordânia

24.07.2017 às 12h00

Google+
Linkedin
Pinterest



KHALIL MAZRAAWI/GETTY
A segurança na embaixada de Israel em Amã foi reforçada com mais agentes da polícia e forças da unidade de anti-terrorismo



LILIANA COELHO


Um segurança da embaixada de Israel em Amã matou, domingo à noite, dois cidadãos jordanos, após ter sido atacado por um deles. Trata-se de um dos mais graves incidentes desde que os dois países assinaram um tratado de paz há quase 23 anos.

Dois funcionários deslocaram-se a um apartamento onde vivia um dos seguranças – próximo da embaixada – para substituir a mobília, quando o mais novo, de 17 anos, atacou o segurança com uma chave de fendas. Em resposta, o segurança disparou tiros contra os indivíduos, matando o atacante e o proprietário do edifício. O jovem morreu de imediato, enquanto o outro jordano sucumbiu aos ferimentos já no hospital.

As autoridades jordanas exigem interrogar o segurança israelita, mas o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel alega que o guarda tem imunidade diplomática, com base na Convenção de Viena. “Estão a decorrer conversações com os jordanos através do Ministério da Defesa. Estamos a tentar avançar com vista ao fim desta crise”, declarou fonte do Governo israelita ao jornal “Haaretz”.

Amã avisou, no entanto, que irá tomar medidas diplomáticas caso Israel não atenda ao seu pedido. Apesar de os primeiros indícios apontarem para um ataque motivado por uma “questão pessoal” do atacante, as autoridades israelitas acreditam que poderá ter havido motivação política. “A investigação está apenas na fase inicial, mas estamos a analisar todos os detalhes do incidente e o Ministério Público já foi notificado”, disse fonte da polícia local.

A segurança na embaixada de Israel em Amã foi, entretanto, reforçada com mais agentes da polícia e forças da unidade de antiterrorismo. O caso aumentou a tensão na região, depois de a polícia israelita ter instalado detetores de metais na entrada para o Monte do Templo, na Cidade Velha de Jerusalém. Uma medida muito mal-recebida pelos palestinianos. Na sexta-feira, centenas de jordanos protestaram também contra a decisão.

Entretanto, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) vai reunir-se de emergência esta segunda-feira na sequência dos casos recentes de violência em Jerusalém. Na quarta-feira está também marcada uma reunião no Egito entre os ministros dos Negócios Estrangeiros da Liga Árabe, com o mesmo tema na agenda.