sexta-feira, 14 de julho de 2017

“Relevei insultos de parlamentares que me hostilizaram (...). No entanto, jamais me curvarei a alguém quando a ofensa rogada contra mim for uma atrocidade racista alusiva à minha religião, ainda que dissimulada através de um jogo de palavras. Sou o único judeu no exercício de mandato na Câmara, o que torna mais afrontosa a difamação”, disse.


Perondi diz que Zveiter faz apologia do nazismo; acusado vê 'ato vil' e 'difamação'

Na quarta (12), Darcísio Perondi, um dos principais defensores de Temer, criticou relator de denúncia contra o presidente. Sergio Zveiter diz que 'jamais' se curvará a alguém que faz 'atrocidade racista'.

Por Bernardo Caram e Alessandra Modzeleski, G1, Brasília

13/07/2017 14h47 Atualizado há 6 horas


Os deputados Darcísio Perondi (esq.) e Sergio Zveiter (Foto: Cleia Viana / Câmara dos Deputados)

O deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) disse nesta quinta-feira (13) ter sido agredido verbalmente por colegas, em especial porque teve a atuação comparada a práticas do nazismo.

Zveiter é o autor do parecer apresentado à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara que recomenda a aceitação da denúncia por corrupção passiva da Procuradoria Geral da República contra o presidente Michel Temer. Se o plenário da Câmara autorizar, Temer poderá se tornar alvo de processo no Supremo Tribunal Federal (STF).

"Vamos rasgar o Código Penal. Isso é apologia do nazismo, do fascismo. Mussolini fez mal. Hitler fez mal com essa política. Triste o comportamento do parlamentar."

Na sessão desta quarta (12) da CCJ, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), um dos principais defensores de Temer na Câmara, criticou o relator e fez referência ao nazismo e ao fascismo.

“A ousadia do relator servir à Procuradoria, dizer que em dúvida é pela sociedade, não para o réu. Vamos rasgar o Código Penal. Isso é apologia do nazismo, do fascismo. Mussolini fez mal. Hitler fez mal com essa política. Triste o comportamento do parlamentar”, afirmou Perondi, na ocasião.

"Jamais me curvarei a alguém quando a ofensa rogada contra mim for uma atrocidade racista alusiva à minha religião, ainda que dissimulada através de um jogo de palavras. Sou o único judeu no exercício de mandato."

Nesta quinta, antes de iniciar sua fala na CCJ sobre o relatório, Zveiter pediu tempo para falar sobre um assunto de caráter pessoal.

“Depois que fui nomeado (relator), fui agredido verbalmente por vários colegas, que obviamente não tiveram coragem de fazer pessoalmente”, disse. “Fui chamado de traidor, vagabundo, burro e imbecil”, completou.

Zveiter começou, então, a falar do colega de partido Perondi. “Ontem [quarta], na sessão da CCJ, o deputado Darcísio Perondi acusou-me, num ato vil intencional e ardiloso, de ter feito apologia ao nazismo”, afirmou o parlamentar.

“Relevei insultos de parlamentares que me hostilizaram (...). No entanto, jamais me curvarei a alguém quando a ofensa rogada contra mim for uma atrocidade racista alusiva à minha religião, ainda que dissimulada através de um jogo de palavras. Sou o único judeu no exercício de mandato na Câmara, o que torna mais afrontosa a difamação”, disse.

À noite, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) divulgou nota na qual diz repudiar as referências ao nazismo na fala de Perondi. "É lamentável que, no âmbito do debate político, se recorra a este tipo de analogia indevida e justamente para atingir um integrante de nossa comunidade", afirmou o presidente da entidade, Fernando Lottenberg.

CÂMARA
SERGIO ZVEITER
160
COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

ENVIAR


RECENTES

POPULARES


Corintiano Bocadura

HÁ 10 HORAS

Será que o Brasil vai votar corretamente e conscientemente em 2018? Se isso acontecer, será uma faxina pesada no Congresso Nacional...oxalá
281



VER MAIS 2 COMENTÁRIOS

Edson Matos

HÁ 10 HORAS

PMDBOSTA essa é ótima!
80


Carlos Pek

HÁ 8 MINUTOS

Votar corretamente, será que isso é possível? Só vejo um jeito: Centenas de projetos tipo das 10 medidas anti-corrupção. Acho que caberia umas Mil medidas. Ao invés de só reclamar, vamos PENSAR no Brasil. Criar nossas defesas contra essas aves de rapina.
00