domingo, 2 de julho de 2017

Sim. Boas definições básicas. No tocante sobre que é natural haver opositores à qualquer governo isso é tão natural que está presente também nos tempos bíblicos de Moisés até onde a Bília Hebraica narra autoridades reconhecidas por israelitas, porém boa parte da oposição aos recentes e mesmos primeiros governos israelenses é motivada por contrariedades religiosas, políticas e ideológicas concentradas contra qualquer tipo de judeu e israelense portanto foge da definição simplificada. Como afirmado corretamente há variedade e versatilidade no judaísmo e entre judeus. O suficiente para o que o sionismo surja no começo do século 19 através de esforços totalmente judaicas voltados para a terras israelitas sobre domínio otomano, tanto que em 1890 o pensador Nathan Birnbaum - em primeva alusão ao sionismo - usa publicamente a palavra hebraica Hibat Tsion para designar '' a cidade, o país e até os judeus como nação, que continua se reconhecendo vinculada ao Sião como cidade e país''. (http://www.overmundo.com.br/download_banco/o-estado-de-israel-dos-primordios-ao-estado-moderno). Portanto o sionismo é uma vanguarda das necessidades judaicas e focando na ênfase religiosa ou ideológica dependente da Torah (nosso Pentateuco), Tanach (nosso antigo testamento), Talmude (compilações evolutivas da filosofia, religiosidade e folclore judeu voltadas para Torah e Tanach e Tradições Orais) e mesmo Zohar (obra mística maior do judaísmo) torna-se característica comum a quantos judeus tenham oportunidade de examinar assuntos imparcialmente. Novante, mesmo entre religiosos e ativistas humanitários ou pensadores, as bases mais comuns contra o sionismo na sua totalidade são motivadas por linhas intelectuais antissemitas comuns ao nazismo hitlerista, militância islamita anti-sionista e anti-judaica e seus predescessores. Que todo sionista não seja judeu é a afirmação mais natural dado que também todo amante da Torah não seja judeu.


http://www.huffpostbrasil.com/anita-efraim/a-diferenca-entre-ser-judeu-sionista-e-contra-o-atual-governo-i_a_21682085/

OPINIÃO

A diferença entre ser judeu, sionista e contra o atual governo israelense

09/04/2016 21:37 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:25 -02

Anita Efraim Estudante





GETTY IMAGES/ISTOCKPHOTO




A confusão de termos no conflitoIsrael-Palestina é natural e pode prejudicar o entendimento sobre o posicionamento político das pessoas. Então, é bom esclarecer o significado de algumas palavras ditas muito frequentemente em discussões sobre o tema:



Judaísmo


É uma religião, uma cultura, um povo, depende um pouco do ponto de vista. O judaísmo é a primeiro religião monoteísta do mundo e se baseia no Antigo Testamento, conhecido por também como Torá. Judeus não são apenas aqueles que usam chapéus, roupas pretas, peruca e saias longas, existem diferentes linhas judaicas. Os mais caricatos, que usam essas vestimentas, seguem a ortodoxia, mas há também os conservadores, os reformistas, os humanistas e até os laicos. Sim, existem judeus laicos



Sionismo


Sionista é aquele que acredita na existência do Estado de Israel e na sua importância para a continuidade do povo judeu. Também há diferentes linhas do sionismo, como por exemplo o político, que acredita que todos os judeus devem morar em Israel, e o espiritual, que vê o Estado Judeu como centro espiritual da religião e, por isso, precisa existir, mas nem todos os que seguem o judaísmo precisam viver lá.



Sendo assim, independente da linha, todo sionista acredita que Israel deve existir, mas há sionistas que acreditam que é preciso viver lá. Além disso, há pessoas que acreditam na existência de dois Estados para dois povos, que acreditam em um país para dois povos e até que acreditam que só deve haver o Estado Judeu. Tudo depende da pessoa. Não há apenas um sionista.



Nem todo judeu é sionista, assim como não é preciso ser judeu para acreditar na necessidade da existência do Estado de Israel.


Ser contra o governo


Como no Brasil e no mundo todo, em Israel há um governo no comando. No governo democrático, é quase impossível que quem está no poder agrade a 100% do povo ou ao resto do mundo.


Nos Estados Unidos, por exemplo, há opositores a Barack Obama. Em Israel, funciona da mesma forma: têm pessoas que moral lá e até sionistas fora de Israel que acreditam que o líder que está no poder, Bibi Netanyahu, não tem boas políticas e não compactuam com suas ações. Importante frisar que, ser contra o atual governo de Israel e suas políticas não significa ser contra a existência do Estado.


Espero que tenha ficado claro e que acabem às acusações infundadas e injustas aos sionistas que são contra o atual governo de Israel ou a qualquer um que critique o governo israelense sem questionar a sua existência.