segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Al Jazeera estampa e defende abertamente o terrorismo bem como, obviamente, incita à violência contra Israel e elementos democráticos. Devia ter sido fechada definitivamente há muito tempo, Iehouah fortaleça Israel em banir todo fundamentalismo e terrorismo das esferas da sua existência.


https://www.rtp.pt/noticias/mundo/por-que-razao-quer-netanyahu-por-a-al-jazeera-fora-de-israel_n1019544

Por que razão quer Netanyahu pôr a Al Jazeera fora de Israel

Paulo Alexandre Amaral - RTP07 Ago, 2017, 18:46 / atualizado em 07 Ago, 2017, 19:22 | Mundo


| Ammar Awad, Reuters
Há seguramente pelo menos uma razão forte o suficiente para que o primeiro-ministro israelita queira a cadeia qatariota Al Jazeera fora de Israel. Pelo menos uma, mas poderão ser várias, juntas, num contexto particular que é este, em que a televisão do Qatar é acossada pelos gigantes árabes que lhe são vizinhos, mas também em que Israel é visado com uma força que não esperava pelo movimento BDS. É possível que estes dois elementos sejam os responsáveis pela decisão do executivo de Benjamin Netanyahu de quebrar o que foi uma espécie de aliança que dura há décadas.

Israel anunciou este domingo a intenção de fechar os escritórios da Al Jazeera no país.Num artigo de opinião publicado esta segunda-feira no site da Al Jazeera, Mark LeVine, especialista em História do Médio Oriente e professor da Universidade da Califórnia, propõe várias abordagens e explicações para a recente ordem de expulsão da cadeia qatariota emitida por Telavive.

Israel anunciou este domingo a intenção de fechar os escritórios da Al Jazeera em Israel sob a justificação de que a cadeia “incita à violência”, face a uma cobertura parcial do conflito israelo palestiniano. Mark LeVine faz questão de recordar a situação peculiar que foi concedida à Al Jazeera, uma cadeia árabe em terra israelita, a quem foi permitido partilhar, como outras cadeias nacionais e internacionais, o complexo de edifícios dos serviços de imprensa do governo israelita.

Este especialista aponta a Al Jazeera como o que em Português costuma designar-se por “lança em África”, no caso, uma lança no mundo árabe. A televisão terá assim servido nos primeiros tempos o propósito israelita de fazer chegar a sua leitura da região à população e às elites árabes. Uma forma de, mais do que comunicar, de fazer passar as suas ideias, de defender a sua estratégia. E por que não dizê-lo, procurando servir-se da Al Jazeera como um meio de propaganda.

O trabalho está feito
A Al Jazeera denuncia a decisão sublinhando que vem aquele que se diz “o único Estado democrático do Médio Oriente”.Diz Mark LeVine que pode dar-se o caso de essa estratégia ter sido tão bem sucedida e as ideias sionistas terem penetrado tão conforme os desejos do Estado israelita que o actual primeiro-ministro Netanyahu pense que nada mais há a fazer passar às comunidades árabes.

Nesta leitura assume-se que a propaganda teria atingido os melhores resultados possíveis junto dos vizinhos árabes, fazendo a Al Jazeera perder a sua utilidade.

Esta pode ser uma leitura possível, mas a decisão de Telavive é tão inesperada que o seu contrário também serviria para explicar o encerramento e expulsão da televisão do Qatar. Ou seja, mais de uma década após o seu surgimento na esteira do movimento que levou na África do Sul à libertação de Nelson Mandela, o movimento BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções) seria em grande medida alimentado pelo retrato diário que a Al Jazeera faz dos abusos dos colonos israelitas contra as comunidades palestinianas; da mesma forma o terror em que os militares do IDF (forças armadas de Israel) mantêm os palestinianos e os constrangimentos sofridos por esta comunidade sempre que tenta movimentar-se numa terra que é a sua, de acordo com as próprias Nações Unidas. Tudo aquilo que não é desejado pela máquina israelita.
A imagem é tudo
Como refere LeVine, há assim a possibilidade de Israel ter chegado ao entendimento de que “a Al Jazeera se tornou mais perigosa do que nunca” e que a cadeia qatariota seja vista, com as suas transmissões diárias e uma cobertura negativa da realidade nos territórios, como responsável pelo “crescimento à escala mundial do movimento BDS como mecanismo de resistência à ocupação”.

Mas, na leitura do professor da Califórnia, a tentativa de expulsão da televisão do Qatar pode também indiciar que vem aí uma nova fase no relacionamento de Israel com a população palestiniana e a ocupação do território.

Porventura, denuncia Mark LeVine, um novo assalto à Faixa de Gaza (o cerco do Verão de 2014 resultou na largada de milhares de toneladas de bombas num território fechado a qualquer saída, tendo num mês sido mortos mais de 2000 palestinianos, na sua maioria mulheres e crianças); ou então uma nova onde de anexações de terras na Cisjordânia que o Executivo Netanyahu quer manter longe dos écrans e do conhecimento da opinião pública internacional.

Uma terceira via de análise deste académico aponta a uma explicação que exige mais energia: Israel estaria a aproveitar a onda de protestos do mundo árabe contra a Al Jazeera para se aliar a essa contestação e garantir aliados improváveis na região e, eventualmente, coberturas mediáticas favoráveis dos seus meios de comunicação oficiais.
Fechar é a palavra de ordem

Os primeiros ataques começaram com Benjamin Netanyahu. No final de julho, o primeiro-ministro fez saber que não admitia o comportamento do canal, que via como um provocador da tensão entre árabes e israelitas, pelo que a ideia era pura e simplesmente expulsar a Al Jazeera.

Em causa estaria o período de tensão que se viveu na mesquita de Al-Aqsa. O governo preparou-se então para pedir a anulação das credenciais dos jornalistas, o fim de ligações a cabo e satélite, preparativos para um encerramento definitivo da cadeia internacional que ficaram lavrados em comunicado. Ayoub Kara fez eco das teses de Netanyahu, reafirmando a acusação de incitamento à violência e juntou-lhe outra: a Al Jazeera apresenta um jornalismo mau e pouco profissional.

O ministro israelita das Comunicações, Ayoub Kara, numa tentativa de justificar a decisão, acusou a Al Jazeera de ser a responsável pela perda “das vidas dos melhores filhos” de Israel, acrescentando que, “quando vemos que todos esses países vêem na Al Jazeera um instrumento do Estado Islâmico, do Hamas, do Hezbollah e do Irão, e nós somos os únicos a não o fazer, alguma coisa de muito absurda está a passar-se”.

Durante a conferência de imprensa deste domingo, Ayoub Kara fez eco dessa tese de Netanyahu, reafirmando as acusações de incitamento à violência contra a Al Jazeera. Juntou-lhe outra: a cadeia apresenta um jornalismo mau e pouco profissional.

Entretanto, a televisão do Qatar já reagiu às intenções do executivo israelita, para avisar que deitará mão a todas as formas de impedir a expulsão, inclusive os tribunais. E lembrou que, durante a sua comunicação, o ministro Ayoub Kara não apresentou uma única prova dessa falta de profissionalismo dos jornalistas da Al Jazeera.

Israel se soma ao cerco à Al Jazeera no Oriente Médio | Internacional ...

https://brasil.elpais.com › Internacional
7 horas atrás - Governo de Netanyahu anuncia que bloqueará o sinal da emissora por “apoiar oterrorismo

Fechamento da Al Jazeera está entre exigências para suspensão de ...

https://brasil.elpais.com › Internacional
23 de jun de 2017 - Fechamento da Al Jazeera está entre exigências para suspensão de ... Al Jazeera, a admissão do apoio do Governo local a grupos terroristas ...

G1 - EUA inclui jornalista da Al-Jazeera em lista negra do terrorismo ...

g1.globo.com/.../eua-inclui-jornalista-da-al-jazeera-em-lista-negra-do-terrorismo.html
8 de mai de 2015 - O governo dos Estados Unidos colocou um jornalista da rede de notícias árabe Al-Jazeera em uma lista de observação de suspeitos de ...

Como a Al Jazeera se tornou 'pedra no sapato' dos países árabes em ...

www.bbc.com/portuguese/internacional-40481362
3 de jul de 2017 - Lançada em 1996 e hoje assistida em 130 países, a Al Jazeera se ... após ser acusada de "promover o terrorismo" e "tentar influenciar a ...

Egito acusa jornalistas da Al-Jazeera de associação ao terrorismo ...

internacional.estadao.com.br/.../geral,egito-acusa-jornalistas-da-al-jazeera-de-associac...
29 de jan de 2014 - CAIRO - O Egito informou nesta quarta-feira, 29, que 20 jornalistas - quatro estrangeiros - que trabalham para a TV Al-Jazeera serão julgados ...

Arábia Saudita fecha escritório local da rede de TV Al Jazeera, do Catar

agenciabrasil.ebc.com.br/.../arabia-saudita-fecha-escritorio-local-da-rede-de-tv-al-jaze...
5 de jun de 2017 - A medida foi tomada, segundo as autoridades sauditas, porque a Al Jazeera "promoveu planos de grupos terroristas e apoiou os rebeldes