quarta-feira, 9 de agosto de 2017

CABO VERDE E DEMAIS NAÇÕES DEMOCRÁTICAS DA TERRA: SOMENTE PODE HAVER APOIO A ISRAEL SEM APOIAR VOTAÇÕES ANTISSEMITAS E ANTI-SIONISTAS


http://www.expressodasilhas.sapo.cv/politica/item/54267-presidente-desmente-netanyahu

Presidente desmente Netanyahu

Presidente desmente Netanyahu
Depois de Benjamin Netanyahu ter anunciado, via Twitter, que Cabo Verde não voltaria a votar contra Israel na ONU, é a vez de Jorge Carlos Fonseca desmentir que o tema tenha sido abordado entre os dois na última cimeira da CEDEAO realizada em Junho.

Jorge Carlos Fonseca, num comunicado, desmentiu que temas como “os processos de votação nas diferentes instâncias internacionais, bem como os mecanismos para sua concretização, através dos representantes de Cabo Verde, não foram abordados, muito menos discutidos” uma vez que, como esclarece, esses temas obrigam a “uma articulação entre os dois órgãos de soberania, de acordo com as competências de cada um deles”.
No entanto, Jorge Carlos Fonseca não nega que Cabo Verde e Israel procuram estreitar laços de cooperação e que no encontro com Benjamin Netanyahu “foram abordadas diversas questões relacionadas com a cooperação entre os dois países, como a agricultura, as energias renováveis, o turismo, a segurança e o ambiente e reiterou-se o interesse mútuo de reforçar esses laços”.
Por último, Jorge Carlos Fonseca garantiu que é sua vontade “manter a sua total disponibilidade para colaborar com o Governo no sentido de concretizar uma política externa alicerçada nos valores da democracia, da liberdade, da defesa dos direitos humanos e sempre norteada pela defesa intransigente dos interesses de Cabo Verde”.
quarta, 09 agosto 2017 09:44

2 Comentários

  • António 09-08-2017Reportar
    Excelente Sr. Rogério Spencer. Parece que pessoas não sabem dos muitos descendentes judeus que existem em Cabo Verde, cemitérios, sinagogas etc.
  • Rogério Spencer 09-08-2017Reportar
    Jorge Carlos Fonseca (Zona) foi apanhado numa imensa tempestade urdida pelo Paicv e do qual não soube sair da melhor forma. Eu li o post do PM de Israel, e, no quadro das disputas políticas internas, fez alusão e parabenizou a aproximação de Israel a Cabo Verde, dizendo que com esta aproximação Cabo Verde vai deixar de votar contra Israel nas Nações Unidas. E tem razão, amigos não votam contra amigos, mas discordam uns dos outros. Apanhado no olho do furação urdido pelo Paicv, que prefere didaturas a democracias, Zona veio a público desmentir BN, para tranquilizar a tropa de choque do Paicv. Acontece que o Paicv nunca que estará satisfeito com algo que provenha deste Governo e deste PR, pelo que, mais dia, menos dia, o Paicv iria recolher-se, como de hábito à sua própria insignificância. Não se desmente a um governante de um País amigo, por mais equivocado que esteja. Pede-se ao visado que reconsidere a sua posição. A posição do Paicv, como de resto, tudo que feito na vida é contraditório, na medida em que, o Governo do Paicv, na dêcada de 70 e 80 foi contra a aplicação de sanções económicas e políticas contra a Africa do Sul, no tempo de apartheid. De resto, esta foi a única coisa boa que fizeram no plano internacional. Pergunta básica: que tem Cabo Verde com o conflito Israel/arábe. Nada, absolutamente nada! Nossas tradições são muito mais próximas das tradições judias, e nada têm a ver com os arábes, aquem devemos respeitar, mas não estusiasmar. Zona deveria realçar a natureza dos valores que ligam Cabo Verde a Israel e não deter-se a explicar a conversa que teve com PM de Israel. De mais a mais, não é o PR quem cabe a condução da política externa de Cabo Verde, mas sim, o Governo, pelo que deveria ser o MNE a dar as explicações, no contexto de valorização da posição de Cabo Verde no mundo civilizado. Trata-se, no fundo, não de uma relação entre Estados, mas sim, de estar próximo dos valores civilizacionais. Israel é a única democracia em toda a História do Meio Oriente e isto ficou omisso na carta do PR.