terça-feira, 5 de junho de 2018

ARGENTINA: QUANDO PARTE DA TUA LIDERANÇA CEDE AO TERRORISMO GLOBAL ENCENADO E PROMOVIDO POR PALESTINOS NUMA ÉPOCA EM QUE O PARAGUAI VENCE A NÍVEL GLOBAL A INFLUÊNCIA TERRORISTA, ISSO NÃO LHE DIZ ALGUMA COISA? IEHOUAH VOS CENSURE!



ASSINATURA DIGITAL

SUSPENSO PARTICULAR DA ARGENTINA COM ISRAEL EM JERUSALÉM
Após várias pressões sobre a equipa




Foto: ReutersO vice-presidente da Associação de Futebol Argetino (AFA), Hugo Moyano, anunciou esta terça-feira que o particular de preparação entre Argentina e Israel, marcado para sábado, em Jerusalém, foi suspenso, após várias pressões sobre a equipa.

"Acho bem que se tenha suspenso o encontro. Fez-se o correto, não valia a pena, face ao que se passa nestes lugares, onde se mata tanta gente. Somo ser humano, não se pode aceitar de forma alguma. As famílias dos jogadores estavam a sofrer por causa das ameaças", declarou Moyano, à Radio 10, ainda que a AFA não tenha confirmado oficialmente a suspensão.

Várias organizações na Argentina e em Espanha, onde a seleção sul-americana tem estado a treinar, manifestaram-se contra a realização da partida.

Antes da notícia ser conhecida, a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich, apelou à separação entre desporto e política, e explicou que o jogo "não pode ofender os palestinianos", uma vez que aquele governo "reconhece o Estado palestiniano".

À agência noticiosa EFE, a diretora internacional da Associação de Futebol da Palestina, Susan Shalabi, agradeceu o cancelamento do jogo, afirmando que a seleção da Argentina decidiu "não ser convertida em ferramenta política".



PUB

Para Shalabi, este é um "bom exemplo de separação de política e desporto", sendo que o jogo, previsto inicialmente para ser disputado em Haifa, foi mudado de local para Jerusalém.

A ministra israelita do Desporto e Cultura, Miri Reguev, assegurou a mudança com vista a uma visita da Argentina à Cidade Velha e queria que Lionel Messi beijasse o Muro das Lamentações, na parte ocupada da cidade, mas Shalabi considerou que a decisão pretendia "branquear a ocupação israelita" sobre o Estado palestiniano.

A dirigente palestiniana tinha anunciado a intenção de iniciar uma campanha contra a possível organização do Mundial2030 pela Argentina e recordou a decisão "muito grave" do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em transferir a embaixada norte-americana de Telavive para Jerusalém.






PUB



PUB









00h53SPORTING